Como o excesso de informação prejudica a saúde mental

10 de março de 2021

Manter-se informado é diferente de se sobrecarregar de informações que induzem a momentos de ansiedade, estresse, insegurança e frustração. O excesso de informações ou infoxicação pode ser um fator que provoca desconcentração e esquecimento e ainda intensificar e desencadear transtornos mentais.

Estamos em 2021 e nas últimas décadas observamos a tecnologia ocupar um espaço cada vez mais essencial e indispensável em nossas vidas. Considerando o contexto da pandemia e da tecnologia que permite que a informação circule rapidamente e por meio de múltiplos canais como o celular, o computador, a televisão, redes sociais, jornais e outros, é de se esperar que haja algum impacto na saúde mental da população.

Apesar de já estarmos acostumados às facilidades e à rapidez do mundo tecnológico, durante o isolamento social (medida essencial para o controle da pandemia pela covid-19), estivemos todos totalmente dependentes dos aparelhos digitais, mídias e internet para interagir, trabalhar, se divertir e executar todas as outras tarefas rotineiras, o que fez com que o acesso à informação e o uso das plataformas digitais fosse ainda mais intenso e excessivo.

Dessa forma, nos dias atuais vivemos, além da pandemia, o que chamamos de infodemia. Mas, afinal, quais são as consequências da sobrecarga de informações e da infodemia?

Excesso de informação

 

Infodemia e a sobrecarga de informações
Segundo a Página Informativa n° 5Entenda a Infodemia e a Desinformação na Luta Contra a Covid-19, desenvolvida e publicada pelo Departamento de Evidência e Inteligência para Ação em Saúde da Organização Pan-Americana de Saúde, a infodemia é um processo que aconteceu como uma resposta ao surto provocado pelo coronavírus: uma enxurrada de informações num volume tão grande, que fica extremamente difícil encontrar e saber quais delas são de fato confiáveis – porque além da enorme quantidade de informações, ainda temos que lidar com a desinformação provinda das famosas fake news.

O conceito de infodemia significa uma epidemia de informações, razão pela qual as pessoas se encontram “infoxicadas” (intoxicadas de informação). A situação de pandemia por si só já foi responsável por gerar um aumento expressivo na quantidade de transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade e outras patologias mentais na população – e isso tudo foi agravado pela infodemia, que pareceu injetar uma dose extra de combustível para esses transtornos. A mesma página informativa publicada pela OPAS aponta que a infodemia pode agravar a pandemia porque “as pessoas podem se sentir ansiosas, deprimidas, sobrecarregadas, emocionalmente exaustas e incapazes de atender a demandas importantes”.

O cérebro, o excesso de informação e a ansiedade
Um artigo publicado pela Revista Ciência e Cultura em 2011 chamado Excesso de informação e as (des)memórias no mundo contemporâneo apresentou uma análise de como a sobrecarga de informações afeta o sistema de memórias do nosso cérebro – e quais as consequências disso. Neste artigo, o autor começa elucidando o fato de que o nosso cérebro funciona como um HD e que esse mesmo HD tem um filtro, que escolhe o que será esquecido e o que será armazenado, e, portanto, lembrado, guardado na memória.

O mecanismo de esquecimento e da escolha seletiva fazem com que informações triviais sejam dispensadas e garantem que haja espaço para a apreensão do que é realmente importante. O mesmo artigo aponta que esse sistema sofre influências do nosso estado emocional e cita uma pesquisa que relaciona a produção de proteínas responsáveis pela memória à ação da dopamina, o hormônio da sensação de bem-estar e prazer.

Ansiedade, informação e geração Z
Agora vamos imaginar esse sistema de esquecimento e armazenamento funcionando no corpo de um indivíduo que recebe estímulos praticamente 24 horas por dia, durante 7 dias por semana, há décadas – que é o caso, por exemplo, dos adolescentes e adultos da geração Z. Não é à toa que observamos a ansiedade e a depressão como marcas dessa geração.

O imediatismo e a frustração são sentimentos típicos de quem foi culturalmente e socialmente desenvolvido com o advento da facilidade e agilidade de acesso a praticamente tudo. Isso porque, além de ser a primeira geração verdadeiramente digital e a primeira a viver a globalização como uma experiência que de fato exclui os limites de fronteira geográficos, sociais, econômicos e de informação, a geração Z faz o uso quase que constante das mídias sociais e digitais.

Em suma, o cuidado com a quantidade e com a qualidade de informações que recebemos diariamente é necessário. A saúde mental é essencial para uma boa qualidade de vida e momentos como este, de pandemia e infodemia, podem ser um convite à auto-observação e ao autocuidado para prevenir, identificar e tratar os transtornos mentais. Se estiver sofrendo com qualquer um dos sintomas descritos anteriormente, procure ajuda.

Referências
INGUI, Daniela. Excesso de informação e as (des)memórias no mundo contemporâneo. Rev. Cienc. Cult. [internet]. 2011, vol.63, n.2 [acesso em 21 fev 2021], pp.12-14. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252011000200005&lng=en&nrm=iso . ISSN 0009-6725.  http://dx.doi.org/10.21800/S0009-67252011000200005.

OPA – Organização Pan-Americana de Saúde. ENTENDA A INFODEMIA E A DESINFORMAÇÃO NA LUTA CONTRA A COVID-19 [internet]. 2020, pág. inf.  n°5 [acesso em 21 fev 2021]. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52054/Factsheet-Infodemic_por.pdf?sequence=14

BARBOSA, Gilberto; GALHARDO, Diego; SOUZA, Emilimaira L.; PAREIRA, Andréa R. S.; OLIVEIRA, Bruna L. G. O. Reflexões acerca do transtorno de ansiedade generalizada: da geração tradicional à geração alpha [internet]. Anais do VII CONCCEPAR: Congresso Científico da Região Centro-Ocidental do Paraná / Centro Universitário Integrado de Campo Mourão. – Campo Mourão, PR: Centro Universitário Integrado de Campo Mourão. 2016 [acesso em 21 fev 2021]. Disponível em: https://conccepar.grupointegrado.br/resumo/reflexoes-a-cerca-do-transtorno-de-ansiedade-generalizada-da-geracao-tradicional-a-geracao-alpha/480/903

Hospital Santa Mônica. Conheça as principais dificuldades e características da geração Z [internet]. 2021 [acesso em 21 fev 2021]. Disponível em: https://hospitalsantamonica.com.br/geracao-z/

Associação Catarinense de Medicina do Trabalho. Ansiedade e frustração marcam geração Z [internet]. 2018 [acesso em 21 fev 2021]. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/acamt/index.php/em-foco-novo/1337-ansiedade-e-frustracao-marcam-geracao-z

AKHTAR, Allana; KIERSZ, Andy. Suicide is Gen Z’s second-leading cause of death, and it’s a worse epidemic than anything millennials faced at that age [internet]. 2019 [acesso em 21 fev 2021]. Disponível em: https://www.businessinsider.com/cdc-teenage-gen-z-american-suicide-epidemic

SEGATO, Luana. SAÚDE MENTAL – Infoxicação: os excessos de interações virtuais estão contribuindo para o nosso adoecendo emocional? [internet]. 2020 [acesso em 21 fev 2021]. Disponível em: https://observatoriodacomunicacao.org.br/colunas/saude-mental-infoxicacao-os-excessos-de-interacoes-virtuais-estao-contribuindo-para-o-nosso-adoecendo-emocional/

 

Compartilhe