Comunicação Não Violenta para relacionamentos mais saudáveis

06 de abril de 2021

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um conjunto de ferramentas cujo objetivo é promover a melhoria na qualidade dos nossos relacionamentos pessoais e profissionais. Por meio de técnicas que estimulam a empatia, o autoconhecimento, a harmonia, a confiança e a percepção, a CNV propõe uma nova maneira de construir e estruturar as relações.

CNV no dia a dia
Já parou para pensar no quanto nossos relacionamentos influenciam em nossa qualidade de vida? Nosso bem-estar diário está fundamentalmente ligado às nossas relações sociais e as emoções que as envolvem – e isso faz com que elas sejam de extrema importância quando falamos sobre saúde mental. Sendo a comunicação uma necessidade vital e a base de qualquer relacionamento, é possível afirmar que a comunicação sadia promove relações sadias.

Não é à toa que a CNV, hoje, é uma das ferramentas mais escolhidas para gerenciar conflitos em diferentes ambientes: no trabalho, em escolas, em famílias e até mesmo em casos de conflitos legais, visto que se tornou um importante instrumento das práticas de Justiça Restaurativa. Ela parte do pressuposto de que o entendimento e a harmonia entre as necessidades das pessoas envolvidas contribuem para que as emoções sejam expressas de maneira a estimular a cooperação e a confiança, ao invés de conflitos e agressividade.

Comunicação Não Violenta para relacionamentos mais saudáveis

A escuta, a fala e as emoções
A comunicação implica, imprescindivelmente, na fala e na escuta. A metodologia da CNV propõe uma escuta empática, sem julgamentos e sem avaliações, e também uma fala consciente, clara e específica. Dessa forma, estabelece-se um canal de comunicação com trocas mais honestas e conexões emocionais reais e, consequentemente, relacionamentos mais sólidos, baseados na confiança.

Para Marshall Rosenberg, o criador do conceito de CNV, quando expomos nossas vulnerabilidades estabelecemos conexões emocionais mais humanas, o que pode ser fundamental para a resolução de situações conflituosas. Isso só é possível quando estamos conscientes, perceptivos e aptos a reconhecer nossas necessidades e nossos sentimentos e quando articulamos de forma clara, concisa e sincera a nossa fala.

É importante também reavaliar o processo de escuta: a escuta empática, proposta pela CNV, é uma escuta livre de julgamentos, aberta à expressão do outro, de maneira que ele se sinta acolhido, compreendido e confortável para compartilhar. Em seu livro Comunicação Não-Violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais, Rosenberg fala sobre separar observação de avaliação, porque quando combinamos esses dois componentes, é possível que a mensagem transmitida seja recebida como crítica – o que facilmente pode gerar conflitos.

Assim, a CNV é uma potente ferramenta tanto para os relacionamentos quanto para o autoconhecimento, e que pode ser aplicada em diferentes contextos. Para Rosenberg, trata-se de um resgate do nosso estado inato de compassividade dando ênfase na percepção, na fala e na escuta.

Agora que você já sabe sobre a CNV, que tal experimentar uma postura mais compassiva e empática com as suas emoções e também com as dos outros?

Referências

PELIZZOLI, Marcelo L. Introdução à Comunicação Não Violenta (CNV) – reflexões sobre fundamentos e método [internet]. Pelizzoli, M.L. (org.) Diálogo, mediação e cultura de paz. Recife: Ed. da UFPE. 2012 [acesso em 25 fev 2021]. Disponível em: http://cursos.unipampa.edu.br/cursos/sbecnv/files/2018/10/pos-int–cnv-ii.pdf

ROSENBERG, Marshall B. Comunicação Não-Violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais [internet]. [Tradução Mário Vilela] – São Paulo : Ágora, 2006 [acesso em 25 fev 2021]. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=2HGf_-uVBEQC&oi=fnd&pg=PA13&dq=comunica%C3%A7%C3%A3o+n%C3%A3o+violenta&ots=jVEuqIvtfl&sig=Mt7aXjbAXrVu8VZWHTlZRlz1Vac#v=onepage&q=comunica%C3%A7%C3%A3o%20n%C3%A3o%20violenta&f=false

MARTINOT, Annegret F.,  FIELDER, José C. B. do Prado. A importância da CNV – Comunicação Não Violenta na realização do processo de autoconhecimento [internet]. Revista Educação v.11, n.1. 2016 [acesso em 25 fev 2021]. Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/educacao/article/view/2174/1699

 

 

Compartilhe