Programa Bem Estar da Globo fala sobre como a dança ajuda a superar a depressão

28 de julho de 2017

Pacientes em ensaio do Movimento Próximo Passo no Instituto Ivaldo Bertazzo

Em sua edição de quinta (27/7), o programa Bem Estar, da Rede Globo falou sobre a depressão e deu destaque ao Movimento Próximo Passo – O Espetáculo, idealizado para nós pela Agência Tudo e com a parceria com o Instituto Ivaldo Bertazzo. A iniciativa tem o objetivo de ajudar pessoas que têm ou já tiveram a doença a recuperarem o equilíbrio da vida por meio da dança. Após selecionar 30 participantes dentre mais de mil inscritos, o Instituto deu início aos ensaios, que terão duração de quatro meses, até a apresentação do espetáculo, que acontece em outubro.

“A pessoa deprimida sofre prejuízos sociais (pois tende a se isolar) e também físicos, já que perde condicionamento, pela falta de energia”, pontua a psiquiatra Giuliana Cividanes, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Nesse sentido, a dança melhora não só o condicionamento físico, mas também ajuda na reintegração social, devolvendo a autoestima”, completa. Dessa forma, a atividade pode ajudar na superação da doença, servindo como suporte ao tratamento indicado pelo médico. “A depressão é um tema delicado, por isso, buscamos abordá-la de um jeito leve. Dançar cura a tristeza, melhora o humor, aquece o corpo e ajuda a apagar a dor”, diz o coreógrafo e educador Ivaldo Bertazzo.

Confira aqui  como foram os primeiros ensaios dos participantes do Movimento Próximo Passo.  #proximopasso #libbs #ivaldobertazzo #bemestar

 

Sobre a doença

Incapacitante, a depressão afeta de 8 a 15% dos brasileiros e mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Mais incidente na população feminina, o problema é caracterizado por alterações emocionais e físicas. “A doença afeta o corpo de uma forma sistêmica. Então, inclui desde sintomas psíquicos, como perda da capacidade em sentir prazer, tristeza profunda e apatia, até sinais físicos, como alterações de sono e apetite, cansaço e aumento de quadros infecciosos e inflamatórios”, descreve a psiquiatra.

As causas da doença incluem desde fatores genéticos até experiências de vida do paciente. “A depressão é multifatorial: pode ser desencadeada por aspectos biológicos, genéticos e ambientais, como o estresse e dificuldades da vida. Nesse sentido, a própria personalidade influencia, já que cada pessoa reage de uma forma às diferentes situações”, ressalta. Algumas doenças sistêmicas, o uso de drogas e o alcoolismo também aumentam o risco de desenvolver o distúrbio.

O tratamento varia de acordo com o grau de evolução da doença. No entanto, o melhor é o multidisciplinar, que inclui a psicoterapia e o tratamento médico.  Também é importante que o paciente retome gradualmente suas atividades – e até mesmo adote novos hobbies. É nesse contexto que a dança entra como uma excelente atividade complementar, já que reintegra o binômio corpo-mente, reconciliando o paciente com si mesmo e trazendo alegria por meio de seus ritmos e movimentos.

 

Compartilhe