7 mitos e verdades do Diabetes

19 de dezembro de 2019

Todo ano, o número de pessoas com diabetes cresce consideravelmente. Entre 2006 e 2016, só no Brasil, tivemos um aumento em torno de 60% no diagnóstico, isso sem considerar as pessoas que ainda não sabem que têm a doença, que pode representar até 50% do total de diabéticos conhecidos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1 em cada 11 pessoas no mundo tem diabetes e necessita de cuidados especiais diariamente. Pela popularidade, é natural que surjam diversas dúvidas em torno do tema. Separamos a seguir alguns mitos e verdades sobre o diabetes, para ajudar e facilitar a vida de quem convive com a doença ou com alguém quem tem.

1) Diabetes tipo 1 e tipo 2 tem diferença.

Verdade
O diabetes tipo 1 (DM1) é classificada como doença autoimune, e seu diagnóstico é mais comum durante a infância e adolescência. O DM1 ocorre por uma deficiência do pâncreas, causada pelo próprio corpo, que destrói as células produtoras de insulina, fazendo com que o órgão libere pouca ou nenhuma insulina para o organismo. A condição também pode ter causas genéticas, gerando células beta defeituosas no pâncreas, que passa a produzir menos insulina do que o normal. Por isso, o paciente deve dosar os níveis de açúcar no sangue regularmente, repondo quando necessário a insulina do corpo com auxílio e recomendação médica.

Já o diabetes de tipo 2 (DM2), que a forma mais comum de diabetes, é responsável por cerca de 95% dos casos em adultos. No DM2, o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, e as células do corpo são resistentes à ação da insulina. O DM2 é mais comum em pacientes com sobrepeso e obesidade, e, normalmente, tem como doenças associadas hipertensão arterial e os elevação do colesterol e dos triglicérides. Deve ser tratado com mudanças no estilo de vida (dieta, atividade física, ´perda de peso), monitoramento dos níveis de açúcar no sangue e medicamentos, seguindo sempre orientações e acompanhamento médico.

2) Diabetes tem cura.

Mito

Até o momento não existe nenhum tratamento capaz de banir a doença, porém, existem controles que ajudam nos sintomas, e evitam problemas futuros. 

3) Pessoas magras também podem ter diabetes.

Verdade
Realmente, o diabetes tipo 2 é mais comum em pacientes que estão acima do peso, porém não é uma regra e existe uma variedade de fatores que podem contribuir com o desenvolvimento da doença: tabagismo, ingestão calórica excessiva, sedentarismo, o próprio envelhecimento, entre outros.

4) Pacientes diabéticos comem apenas alimentos específicos para a doença.

Mito
Pacientes diabéticos têm restrições em sua alimentação, geralmente fazem dieta com muita fibra e pouco açúcar, porém, não são alimentos especiais para a doença. São apenas cuidados e hábitos saudáveis recomendados pelo seu médico, e que mesmo as pessoas que não são diabéticas fariam bem em adotar.

5) Diabetes pode levar pacientes a óbito.

 Verdade
O diabetes exige acompanhamento médico e um estilo de vida saudável, com dieta e exercícios. O diabetes, em situações mais avançadas, pode levar a complicações mais severas, afetando outros órgãos e levando o paciente a óbito. No entanto, o diabético bem controlado, pode ter um risco muito próximo daquele que não tem a doença.

6) Excesso de doce causa diabetes.

Mito
A ingestão de muito doce/açúcar colabora para o ganho de peso, e contribui para induzir ou agravar o diabetes. O ganho de peso também aumenta a chance de desenvolvimento da doença.

7) Diabetes tem sintomas aparentes.

Verdade
O paciente com diabetes pode apresentar sintomas como: fome constante/exagerada, sede excessiva, necessidade de urinar muito ou a toda hora, cansaço, fraqueza, alteração na vista, etc. Na maioria dos casos, no entanto, as pessoas não sentem nada, porque esses sintomas costumam aparecer apenas quando a doença está mais avançada. É por isso que devemos identificar o diabetes o mais cedo possível. A investigação médica é muito importante e está indicada sempre.

Para saber sobre a prevenção da diabetes, confira aqui nossa matéria sobre o tema.

 

Referências:

Sociedade Brasileira de Diabetes

https://bit.ly/2WTHVXL

Sociedade Brasileira de Análises Clínicas

https://bit.ly/2LoscuB

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

https://bit.ly/2Z0m1oo

Compartilhe