Sonolência Excessiva Diurna e Fadiga

06 de dezembro de 2015

A sonolência excessiva diurna (SED) e a fadiga, frequentemente identificados como cansaço, podem ser sintomas graves e afetar intensamente o trabalho e a vida pessoal dos pacientes, estando relacionados com doenças neurológicas (Alzheimer, Parkinson e Depressão), psiquiátricas (esquizofrenia) e aos distúrbios do sono.

Especialistas alertam que apesar do excesso de cansaço e sonolência, muitas pessoas, não conseguem ter um sono reparador, o que pode comprometer a saúde e desencadear distúrbios psiquiátricos, doenças metabólicas e cardiovasculares. “Os distúrbios do sono afetam a produtividade do indivíduo e impactam diretamente na qualidade de vida, colocando inclusive a vida do paciente que não busca tratamento em risco”, explica Dalva Poyares, neurologista e pesquisadora do Instituto do Sono da Unifesp e palestrante do X Congresso Paulista de Medicina do Sono.

A narcolepsia é um dos principais distúrbios do sono que causam a sonolência excessiva diurna prejudicando a memória, transtornos de atenção e emocional, dificultando as tarefas e relações cotidianas. Também chamada de astenia, a fadiga pode ser decorrente de diversas situações, incluindo o estresse ou os distúrbios do sono relacionados ao ritmo de vida atual.

Na maioria dos casos, apenas o neurologista e o psicólogo são capazes de diagnosticar a SED e a fadiga, diferenciando-as de um simples cansaço acumulado pela rotina estressante.

Compartilhe